Saúde: Como os exercícios ajudam no tratamento de doenças das articulações

Nova diretriz defende que a atividade física tem valor de remédio para quem sofre com rigidez, dor e inflamação nas juntas

Com 500 quilômetros de ciclovias, parques e praças por todos os lados e ruas planas e seguras, Amsterdã é um convite a céu aberto para a vida ativa. Não à toa, a capital holandesa foi a cidade escolhida pela Liga Europeia contra o Reumatismo (Eular) para divulgar suas novíssimas recomendações de exercíciosa quem convive com artrite reumatoide, osteoartrite, lúpus, fibromialgia e outras condições crônicas que atingem as articulações do corpo.

“As diretrizes anteriores até incluíam a atividade física, mas, pela primeira vez, definimos os tipos mais indicados e a dose ideal”, destaca a fisioterapeuta Karin Niedermann, da Universidade de Ciências Aplicadas de Zurique, na Suíça, uma das autoras do documento.

Em resumo, a publicação chancela, de uma vez por todas, que o esporte é pilar primordial no tratamento dessas doenças e tem um papel tão decisivo quanto as medicações usadas de rotina – um avanço e tanto, se pensarmos que há poucas décadas a orientação médica era permanecer em repouso absoluto.

Para chegar a essa conclusão, os profissionais analisaram 44 pesquisas envolvendo mais de 3 600 participantes. “As evidências nos mostram que a prática de um exercício físico traz ganhos e afeta positivamente o quadro reumatológico em várias esferas”, informa a fisioterapeuta Anne-Kathrin Rausch, da mesma instituição suíça, que ficou responsável por apresentar os resultados para o público durante o congresso da Eular.

A lista de benefícios é vasta: mexer o corpo melhora a função das juntas, fortalece músculos que circundam essas estruturas, aprimora a flexibilidade e o equilíbrio, derruba o risco de piripaques cardiovasculares (uma das maiores causas de morte nesses sujeitos), afasta a depressão e a ansiedade e pode até mesmo diminuir o uso de fármacos como os analgésicos e os corticoides. Mas, para colher tanta coisa boa, é preciso seguir alguns passos básicos…

A diferença entre os principais problemas reumatológicos

Artrite reumatoide: Desordem autoimune marcada pela destruição da membrana sinovial, película que recobre as articulações.

Osteoartrite: Também conhecida como artrose, é o desgaste da cartilagem seguida de alterações ósseas principalmente nas mãos e nos joelhos.

Lúpus: Mais comum em mulheres jovens, essa inflamação ataca os rins, os pulmões, a pele e o esqueleto todo.

Fibromialgia: Síndrome que se manifesta por meio de dores em todo o corpo. Provoca fadiga extrema e impacta pra valer o sono.

O que diz a publicação

O recente documento europeu – que já inspira mudanças nas condutas médicas do mundo todo – sugere que o programa de exercícios englobe diversas aptidões físicas. Nesse sentido, vale investir na parte aeróbica (caminhadacorridabicicleta…) sem se esquecer dos treinamentos de força, como a musculação, e daqueles que foquem no equilíbrio e no alongamento, que podem ser realizados em sessões de pilates ou RPG, por exemplo.

“Estamos falando de pelo menos 150 minutos de atividade aeróbica moderada e duas visitas à academia por semana”, estima a médica Lícia Mota, coordenadora da Comissão de Artrite Reumatoide da Sociedade Brasileira de Reumatologia e professora da Universidade de Brasília.

Repare: a recomendação é semelhante ao que a Organização Mundial da Saúdeestabelece de maneira geral para qualquer pessoa. Porém, antes de fazer a matrícula em qualquer aula, é importante bater um papo com o médico para que ele faça uma avaliação do seu quadro e veja se você está pronto para o suadouro.

“O exercício ainda deve ser acompanhado por uma equipe multiprofissional, que envolva o fisioterapeuta e o educador físico”, ressalta o reumatologista Ricardo Xavier, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Essa rede de suporte entre as diversas especialidades garante segurança e bons resultados no longo prazo.

Mais um ponto: não deixe de considerar o gosto pessoal na hora de escolher a modalidade. Ora, de que adianta pular na piscina se você odeia natação?

O corpo foi feito para se mexer

Outra noção que está caindo por terra é a de que cidadãos com doenças reumatológicas só estão liberados para fazer atividades leves, com pouco impacto. Estudos comprovam que, dentro de certos limites, eles podem, sim, optar por esportes tidos como mais pesados. Os trabalhos que ganharam destaque por levantar essa bandeira durante o congresso da Eular vieram do Brasil.

Cientistas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) mostraram que pessoas com fibromialgia cadastradas num treino de resistência ou funcional, tão em moda nas academias, aperfeiçoaram a força muscular e apresentaram melhoras na qualidade de vida quando comparadas a um grupo que apenas fez cursos de educação em saúde. “Nós temos que encarar o exercício como um remédio em todos os sentidos: existe uma dose e uma frequência a serem respeitadas”, afirma o médico Fabio Jennings, coordenador do Serviço de Reabilitação em Reumatologia da Unifesp e orientador da pesquisa.

O pulo do gato no experimento foi adaptar os movimentos para a realidade dos voluntários. “Criamos séries de repetições que imitavam situações rotineiras, como erguer uma caixa e puxar uma gaveta, para que essas tarefas ficassem mais fáceis e acessíveis no cotidiano deles”, revela a professora de educação física Giovana Fernandes, que participou do estudo. O contato próximo com um time multidisciplinar também faz toda a diferença nesses casos. “Juntos, conversamos para entender quando a dor vem da prática esportiva em si ou é a doença que está dando as caras”, relata Jennings.

Um conselho para aderir aos exercícios é organizar a agenda a fim de que determinado período do dia não fique muito atribulado. A fadiga é uma das queixas mais recorrentes nas artrites. Esse incômodo até desequilibra a enfermidade e leva a outros problemas, como ansiedade e depressão. “Temos que intercalar momentos de esforço, como o esporte, as tarefas domésticas e o trabalho, com intervalos de descanso”, aponta Lícia.

Além de ajudar no controle dos sintomas, essas orientações minimizam o risco de abandonar o tratamento – fato que, infelizmente, ainda é comum entre quem sente dores nas juntas. Chegou a hora de vestir a roupa de treino, pegar a garrafinha d’água e partir para a sua pílula diária de exercícios.

No que você deve prestar atenção antes do treino

1. Escolha: Na hora de definir a modalidade, dê preferência àquelas que você realmente gosta de fazer.

2. Pergunte: Converse com o reumatologista e certifique-se do aval dele para começar qualquer treino.

3. Contrate: Após o sinal verde, procure sempre o fisioterapeuta ou o professor de educação física.

4. Planeje: Arrume a agenda e os compromissos para que seu dia não fique agitado demais e isso aumente a fadiga.

5. Diferencie: Fique de olho nos sintomas e aprenda a distinguir as dores da doença do incômodo no pós-exercício.

6. Misture: Mescle diferentes tipos para trabalhar a parte aeróbica, a força, a flexibilidade e o equilíbrio.

7. Registre: Faça um diário e anote seus avanços a cada sessão. Compartilhe os dados com o doutor.

8. Diversifique: Uma dieta equilibrada e boas noites de sono também cooperam para manter o quadro sob controle.

Por Saúde Abril 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *