Eleições 2018: Principais notícias sobre apoios aos candidatos no segundo turno

 

PDT anuncia apoio crítico à candidatura de Fernando Haddad

Novo e PP descartam apoio a candidatos no segundo turno

PSB decide apoiar Fernando Haddad no segundo turno

PTB anuncia apoio a Bolsonaro no segundo turno

Boulos anuncia que PSOL apoiará Haddad

PSDB decide que ficará neutro no segundo turno

PDT anuncia apoio crítico à candidatura de Fernando Haddad

O PDT de Ciro Gomes anunciou hoje (10) apoio crítico à candidatura de Fernando Haddad, do PT. A decisão foi tomada em reunião da Executiva Nacional do Partido, em Brasília. O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, ficou no terceiro lugar na disputa, com um total de 13,3 milhões de votos, correspondendo a 12,47% da preferência do eleitorado.

O presidente da legenda, Carlos Lupi, afirmou em entrevista coletiva após a reunião que o partido optou pelo apoio em razão dos riscos que a candidatura de Jair Bolsonaro representa à democracia e às liberdades individuais, a despeito das críticas a atitudes do PT contra o PDT ao longo do processo eleitoral.

“Hoje o tipo de golpe é mais sofisticado, um golpe que pode ser legitimado pelo voto popular, o que torna maior o risco à democracia brasileira”, disse Lupi.

“Nós já sofremos 1964, nós sabemos o que foi 1968, nós somos filhos e netos dos que sofreram na ditadura. Somos o partido dos cassados, dos oprimidos, dos exilados e dos mortos. É em nome desta memória que queremos alertar o povo brasileiro do risco que o Brasil corre elegendo essa personalidade que hoje engana o povo”, completou.

Lupi acrescentou que o PDT não integrará a coordenação da campanha de Haddad, não fará reivindicações de propostas, como ocorreu no caso do PSOL, e não vai fazer parte da gestão do petista se ele for eleito. O presidente negou também que Ciro Gomes vá subir no palanque do candidato do PT. O plano da legenda, completou, é começar a preparar a disputa de 2022.

Ciro Gomes não falou com jornalistas. Na saída do encontro, o candidato do PDT apenas gritou “abaixo ao fascismo, viva a democracia”. Gomes disputou ao longo do primeiro turno o lugar de opositor de Jair Bolsonaro (PSL). O candidato fez críticas ao PT e a Haddad, mas se posicionou de maneira mais veemente contra Bolsonaro, que classificou por diversas vezes como “fascista” e “nazista”.

Estados

Nos pleitos estaduais neste segundo turno, o PDT é opositor do PT em dois locais. No Rio Grande do Norte, Carlos Eduardo tenta a cadeira de governador contra a senadora Fátima Bezerra. No Amapá, Waldez Góes enfrenta Capi (PSB), apoiado pelo PT, em uma rivalidade antiga das forças políticas do estado.

O PDT tem candidatos em outros dois estados: no Amazonas, com Amazonino Mendes, e em Mato Grosso do Sul, com Juiz Odilon. Amazonino Mendes já declarou apoio a Jair Bolsonaro antes mesmo da reunião de hoje da Executiva Nacional do partido. Juiz Odilon ainda não havia se posicionado até hoje.

Carlos Lupi afirmou que não há neutralidade nas disputas estaduais, mas que as situações terão que ser avaliadas conforme a especificidade. “Não tem ninguém liberado. Cada caso é um caso. Nós temos que examinar estados em que o adversário é o PT. Tiveram algumas posições individuais. Mas nós vamos conversar um a um, pois a posição foi tomada agora”, disse.

Podemos, PPS, DEM e PR liberam integrantes para apoio no 2º turno

Partidos decidiram pela neutralidade

A Executiva Nacional do Podemos informou, em nota divulgada nesta quarta-feira (10), que vai se manter neutro no segundo turno da eleição presidencial. De acordo com a nota, militantes, líderes e representantes estão liberados para apoiar um dos presidenciáveis – Jair Bolsonaro (PSL) ou Fernando Haddad (PT).No primeiro turno, o Podemos disputou a eleição presidencial com Alvaro Dias, que foi derrotado.

A Comissão Executiva Nacional do PPS também decidiu, nesta quarta-feira (10), em Brasília, manter a neutralidade no segundo turno da eleição presidencial. Para o partido, as candidaturas de Jair Bolsonaro (PSL) e de Fernando Haddad (PT) “trazem a marca de uma conflagração que alimenta radicalismos políticos sob a insígnia do ‘nós contra eles’, que ameaçam o próprio processo democrático”, diz o documento aprovado pelos dirigentes do PPS.

Mais cedo, o Democratas e o PR também liberaram seus integrantes para apoiar um dos dois candidatos.O DEM divulgou nota para informar que seus líderes e militantes estão livres para apresentar sua manifestação de voto no segundo turno, “seguindo as suas convicções”. No documento, assinado pelo presidente nacional da legenda, Antonio Carlos Magalhães Neto (ACM Neto), o partido afirma que mantém o compromisso de contribuir com a construção de um “Novo Brasil” e diz que o momento pede a substituição da prática do “toma lá dá cá” da velha política pelos verdadeiros interesses públicos. “Governar com os mais qualificados e ter responsabilidade fiscal. Encontrar uma solução para os mais de 13 milhões de brasileiros que estão desempregados. É hora de enfrentar, com coragem e determinação, o desafio de soerguer o nosso país”, disse ACM Neto.

Pelo PR, a decisão foi passada pelo líder da legenda na Câmara, deputado José Rocha. “O Partido da República decidiu liberar toda a bancada para que tome a decisão que achar melhor em cada estado. Os deputados estão liberados para seguir ou com Bolsonaro ou com Haddad”, disse Rocha. “Temos duas candidaturas em campos totalmente opostos. Temos parlamentares que apoiam Bolsonaro e que apoiam Haddad, que é, por exemplo, o meu caso”.

PSDB decide que ficará neutro no segundo turno

A Executiva Nacional do PSDB anunciou nesta terça-feira (9) que permanecerá neutro no segundo turno das eleições presidenciais e que vai liberar os integrantes do partido para apoiarem qualquer um dos dois candidatos à Presidência da República: Jair Bolsonaro (PSL) ou Fernando Haddad (PT).Após reunião ocorrida na tarde de hoje em Brasília, o presidente nacional do partido, Geraldo Alckmin, disse que os militantes e eleitores da sigla poderão decidir o voto “de acordo com a sua consciência” e “convicção”. Com seis candidatos disputando governos estaduais, o PSDB tomou a decisão tendo em vista as diferenças regionais.“Não cabe a nós, nesse segundo turno, ser a favor de um ou de outro. O eleitor é que vai escolher. Nós não nos sentimos representados por nenhum dos dois. O protagonismo agora tem que ser dos candidatos”, declarou.O entendimento de correligionários tucanos é de que é preciso preparar o partido para a oposição, seja ela a qual governo. Apesar de defender a mesma ideia, Alckmin disse que o assunto ainda não foi discutido em nível nacional. “O partido vai, após o segundo turno, procurar um trabalho maior de aproximação com a sociedade civil”, disse.O encontro ocorreu em meio a divergências internas entre os principais nomes da sigla. Ex-prefeito de São Paulo e disputando o segundo turno das eleições ao governo do estado, João Doria saiu da reunião defendendo que o PSDB firmasse uma posição de “repúdio contra o PT”, mas não conseguiu apoio dos correligionários.

 

PSB decide apoiar Fernando Haddad no segundo turno

Em reunião realizada hoje (9), o diretório nacional do PSB decidiu apoiar o candidato do PT, Fernando Haddad, no segundo turno na disputa presidencial. O apoio está condicionado ao compromisso por parte da candidatura petista da formação de uma frente ampla democrática.Os diretórios de São Paulo e do Distrito Federal, cujos candidatos concorrem no segundo turno, ficaram livres para decidir o apoio presidencial de acordo com a resolução do diretório nacional do PSB.No primeiro turno, o PSB não declarou apoio formal a nenhuma candidatura.Após reunião no diretório nacional em Brasília, o partido aprovou resolução que propõe a formação de uma frente ampla democrática que se oponha à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL). “Uma frente que agregue personalidades e instituições que defendem a democracia e que o programa dessa frente também não seja o programa de um partido. Não estamos apoiando o candidato do Partido dos Trabalhadores, estamos apoiando o candidato que vai enfrentar, que vai conduzir e liderar uma frente democrática tentando chegar à Presidência da República”, disse o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira.Com a polarização da disputa eleitoral, Siqueira defende que a frente agregue diferentes forças do campo democrático para formar uma ampla aliança de união nacional . “Defendo que o candidato Haddad procure todas as forças democráticas do nosso país, todos os democratas, todos os nacionalistas, todos os homens e mulheres de bem que amam a liberdade e que querem a preservação da liberdade em nosso país”, pontua.A resolução aprovada pelo diretório nacional do PSB abre uma exceção para os candidatos Márcio França e Rodrigo Rollemberg que disputam o segundo turno pelo partido em São Paulo e no Distrito Federal respectivamente. “Os diretórios desses dois estados poderão examinar as suas coligações e decidir o que deve fazer tendo em consideração que eles precisam ter a liberdade para conduzir as suas campanhas e conquistar uma vitória nessas duas unidades”, afirmou Siqueira.Rollemberg que busca a reeleição na disputa pelo DF,  não declarou qual será seu apoio na candidatura presidencial para o segundo turno. “Não vou me posicionar contra ninguém, vou me posicionar a favor de teses”, respondeu ao ser questionado por jornalistas ao sair da reunião.

A Comissão Executiva Nacional do PSB se reúne para análise dos resultados do primeiro turno das eleições gerais e definição sobre a posição do partido para o segundo turno da disputa presidencial.
A Comissão Executiva Nacional do PSB se reúne para análise dos resultados do primeiro turno das eleições gerais e definição sobre a posição do partido para o segundo turno da disputa presidencial. – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Novo e PP descartam apoio a candidatos no segundo turno

Outras siglas devem definir suas posições esta semana

Por meio de sua conta no Twitter o Partido Novo, que teve João Amoêdo como candidato à Presidência da República, comunicou nesta terça-feira (9) que não apoiará nenhum dos candidatos no segundo turno. Marcado para o dia 28 de outubro, o pleito será disputado por Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).Na postagem, a sigla avalia que obteve grandes conquistas e sai fortalecida dessas eleições. “No entanto, o cenário presidencial não é o que desejávamos. Manteremos nossa coerência e nossa contribuição à sociedade se dará através da atuação da nossa bancada eleita, alinha com nossos princípios e valores. Mesmo declarando neutralidade o partido faz questão de enfatizar que seus integrantes são ‘absolutamente contrários ao PT’ que dizem ter ideias e práticas opostas às defendidas pela legenda”.O Novo elegeu oito deputados federais e está na briga pelo governo de Minas Gerais com Romeu Zema.Outro partido que também declarou neutralidade foi o PP que, no primeiro turno, foi uma das siglas que avalizaram a candidatura do tucano Geraldo Alckmin. Em uma carta longa, de três páginas, dirigida aos progressistas, o presidente do partido Ciro Nogueira (PI) diz que o eleitor claramente enviou um recado ao país: quer tomar sua decisão sem que qualquer outro aspecto, que não os candidatos, sejam levados em consideração como critério de escolha. “Isso significa que o eleitor quer o silêncio e o palco vazio de qualquer ruído ou informação que interfira na sua reflexão sobre qual candidato escolher”, disse Nogueira.Ao reafirmar o compromisso do partido com a democracia, estabilidade econômica, social e com as garantias fundamentais, o PP, que elegeu 37 deputados federais, cinco senadores e o governador do Acre, Gladson Cameli, afirma que está disposto a colaborar com o futuro governo “em todas as agendas coerentes e resolutivas que sejam capazes de enfrentar e encaminhar a solução para os grandes problemas que o país precisa solucionar”.

Outros partidos

A semana deve ser de definição de apoios a um dos dois candidatos que foram para o segundo turno. O PSB e o PSDB devem definir suas posições em reuniões marcadas para a tarde de hoje em Brasília.

A Comissão Executiva Nacional do PSB se reúne, às 14h30, na sede do partido, em Brasília. Às 15h, a Executiva Nacional do PSDB também se encontra na capital federal. O PPL, que lançou João Goulart Filho, é outro partido que se reúne nesta terça-feira em Brasília. A expectativa é de que Rede e o DC (Democracia Cristã), de Eymael, anunciem hoje seus apoios. O MDB, presidido pelo senador Romero Jucá (MDB-RR), que perdeu a reeleição, deve se reunir amanhã (10) na capital federal. Já o PSTU, de Vera Lúcia, marcou para o dia 11 o anúncio.

Boulos anuncia que PSOL apoiará Haddad

O candidato do PSOL, Guilherme Boulos, afirmou hoje (9) que o partido vai apoiar a candidatura do PT à Presidência da República, Fernando Haddad. Nas redes sociais, ele disse ter formalizado o apoio durante encontro com o petista, e apelou para que as pessoas não se deixem desanimar em defesa dos “direitos e sonhos”.“Quando eu nasci, o Brasil estava sob a ditadura e eu vou lutar com todas as minhas forças para que minhas filhas não cresçam em outra”, afirmou Boulous, lembrando que o período militar foi “sombrio” e “não de lutas”.Boulos afirmou que, mesmo sem sair vitorioso no primeiro turno, foi um esforço positivo. “Agradecemos a todos que depositaram seus sonhos nas urnas votando 50. Agora, estaremos nas ruas para derrotar o fascismo e eleger quem representa a democracia no segundo turno: Fernando Haddad.”Nas redes sociais, o PSOL faz campanha contra o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro. O slogan utilizado é: “No 2º turno o PSOL defende o voto em Haddad e Manuela [d’Ávila, vice na chapa do PT]”.

Apoio

Durante encontro de representantes do PSOL com Fernando Haddad em um hotel na zona sul da capital paulista, Boulos anunciou em entrevista à imprensa  que o partido irá compor a coordenação da campanha petista.

O presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, disse, ao ser questionado sobre a posição do partido em um provável governo petista, que o “apoio incondicional” na campanha não se compromete com um apoio governista.

“Nosso engajamento é menos comprometido com o que será um governo do Fernando Haddad, e nós esperamos que ele seja presidente da República, e muito mais comprometido com o combate a esta ameaça deste grupo do Jair Bolsonaro”, disse em referência às propostas do candidato do PSL que, na avaliação dele, ameaçam direitos sociais.

Também estiveram presentes no anúncio, pelo PT, a presidenta nacional da legenda, Gleisi Hoffmann e o senador Lindbergh Farias, que não foi reeleito no Rio de Janeiro; e pelo PSOL, o deputado federal eleito Marcelo Freixo.

PTB anuncia apoio a Bolsonaro no segundo turno

Bolsonaro é a opção para pacificar e unir o país, diz nota do partido

Após reunião da executiva nacional do PTB, em Brasília, o presidente da legenda, Roberto Jefferson, anunciou hoje (9) que apoiará a candidatura do PSL à Presidência da República, Jaior Bolsonaro. Em nota, ele afirma que Bolsonaro é a opção para a pacificação e a união do Brasil.“Acreditamos que Jair Bolsonaro trabalhará para que o nosso país volte aos trilhos do desenvolvimento social e econômico, e pela pacificação e união do povo brasileiro.”De acordo com Jefferson, a decisão foi tomada após consultas aos integrantes da Executiva Nacional do PTB.“O PTB acredita que as propostas de Bolsonaro visam a um Brasil com mais empregos e melhoria de renda aos trabalhadores; com menos impostos e menos gastos públicos; e que respeite nossos municípios e nossas crianças, proporcionando a elas educação de verdade e com qualidade. Dentre outros, são projetos que objetivam um país eficiente e competitivo”, destacou em nota.No Congresso Nacional, o PTB perdeu nomes tradicionais, que não conseguiram se reeleger como Cristiane Brasil (RJ), filha de Roberto Jefferson, Jovair Arantes (GO) e Nelson Marquezelli (SP). Todos eles tentaram a reeleição na Câmara sem sucesso. O partido conseguiu eleger nove deputados para a próxima legislatura.

Por Agência Brasil

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *