A Ford apresentou nesta quarta-feira, 31/01, em São Paulo (SP) a primeira versão da reestilizada linha Ka 2019. O Ka Freestyle é o aventureiro da gama e chega às concessionárias no começo do segundo semestre de 2018.

Desenvolvido na China por uma equipe multinacional, que incluiu o Brasil, esta versão destoa do restante da linha pelos para-choques mais encorpados, faróis com máscara negra, faróis de neblina e grade com acabamento metálico, além das molduras em plástico preto nas laterais, rack de teto em alumínio e retrovisores com acabamento “magnetic”. As rodas de liga leve de 15 polegadas também são exclusivas desta versão.

Porém, muito pouco foi revelado além de seu exterior. O trem de força ainda é um mistério, mas a aposta é que o Freestyle terá o mesmo motor 1.5 de 3 cilindros que equipa as versões de entrada do EcoSport. De concreto mesmo, apenas se sabe que terá o sistema multimídia Sync 3 com a tela flutuante, semelhante também ao EcoSport, com Apple car Play, Android Auto e comando por voz.

Utilitário compacto
A Ford chama o Ka Freestyle de CUV (Compact Utility Vehicle) ou, simplesmente, utilitário compacto. “É um conceito que criamos para o Brasil”, disse Rogelio Golfarb, vice-presidente da Ford do Brasil. “Havia experimentos nessa linha, mas nada tão preciso e claramente definido”.

Os executivos fizeram questão de enfatizar que é um carro totalmente voltado para o asfalto, mas que tem características de veículo fora-de-estrada para enfrentar situações difíceis no trânsito – no caso, a altura mais elevada em relação às demais futuras versões.

“É mais alto do que o Ka Trail e mais baixo do que o EcoSport”, comentou Natan Vieira, vice-presidente de Marketing, Vendas e Serviços da Ford América do Sul. O executivo confirma que a versão Trail continuará existindo. Natan ainda afirmou que o novo Ka vai trazer melhorias estruturais em relação à atual versão – uma resposta ao baixo desempenho do modelo nos crash-tests do Latin NCAP.

Pistas indianas
O Ford Ka Freestyle também foi apresentado nesta quarta em Nova Délhi, na Índia. Lá, terá motor 1.2 de 3 cilindros e 96 cv de potência que certamente não vem ao Brasil, além de um novo câmbio manual de cinco marchas. Ainda terá opção de vir com seis airbags. Um recurso que deve pintar na versão brasileira é o assistente de prevenção anticapotamento (ARP, Active Rollover Prevention), que trabalha combinado ao controle de estabilidade (ESC). Ao detectar situações de perigo de capotagem, o sistema atua acionando os freios e reduzindo a demanda de torque para controlar o veículo.