Aviação: Atendimento à gestantes e pessoas com restrição de saúde

GESTANTES

Grávidas podem viajar de avião, mas é recomendável consultar o médico antes. As passageiras gestantes têm o direito de atendimento especial e prioritário nos processos no aeroporto, como check-in, despacho de bagagem, inspeção de segurança e embarque.

Até 27 ou 28 semanas completas de gestação, não há restrições — seja em  voos nacionais ou internacionais. Depois disso, cada companhia determina os documentos necessários para autorizar a viagem da passageira. Confira as regras:

AVIANCA

Até 27 semanas: exige o Termo de Responsabilidade assinado

De 28 a 35 semanas: exige o Termo de Responsabilidade e um Relatório Médico

A partir de 36 semanas: exige o Termo de Responsabilidade, um Relatório Médico e MEDIF (este documento deve ter data máxima de 10 dias de antecedência ao voo e precisa ser enviado até 72 horas antes do voo para o e-mail medif@avianca.com.br)

A partir de 38 semanas: exige o acompanhamento do médico responsável na viagem

Veja informações sobre gestação múltipla ou de risco no site da AVIANCA.

AZUL

Até 28 semanas: não há pedido de documentação extra

De 29 a 35 semanas: exige atestado médico autorizando a viagem (emitido até 7 dias antes do embarque)

Entre 36 e 37 semanas: exige atestado médico autorizando a viagem (emitido até 7 dias antes do embarque) e preenchimento da Declaração de Responsabilidade fornecida pela companhia nos aeroportos

A partir de 38 semanas: exige o acompanhamento do médico responsável na viagem

Veja informações sobre gestação múltipla ou de risco no site da AZUL.

GOL

Até 27 semanas: não há pedido de documentação extra

De 28 a 35 semanas: exige atestado médico com validade de 30 dias

Entre 36 e 37 semanas: exige atestado médico com validade de 30 dias e preenchimento de Declaração de Responsabilidade

A partir de 38 semanas: exige atestado médico com validade de 30 dias,  preenchimento de Declaração de Responsabilidade e acompanhamento de um médico obstetra

Veja informações sobre gestação múltipla ou de risco no site da GOL.

LATAM

Até 30 semanas: se a gestação acontece sem problemas, não é preciso apresentar documentação extra

Entre 30 e 36 semanas: exige-se atestado médico emitido no máximo até 10 dias antes da viagem

Entre 36 e 39 semanas: exige-se o envio do atestado médico ou do formulário MEDIFemitidos no máximo até 10 dias antes da viagem para o e-mail medif@latam.com (até 72 horas antes do seu voo)

Veja informações sobre gestação múltipla ou de risco no site da LATAM.

MAP

Até 27 semanas: não há pedido de documentação extra, mas no momento do check-in a passageira tem de preencher a Declaração de Embarque de Gestantes

A partir da 28 semana: exige o envio do formulário MEDIF emitido no máximo até 10 dias antes da viagem para o e-mail medif@voemap.com.br (até 72 horas antes do voo)

PASSAREDO

Até 27 semanas: é preciso informar sobre a gestação no check-in

Entre 28 e 35 semanas: exige o preenchimento da Declaração de Responsabilidade fornecida pela companhia nos aeroportos

Entre 36 e 37 semanas: exige atestado médico válido por 30 dias.

A partir de 38 semanas: exige o preenchimento da Declaração de Responsabilidade e o acompanhamento de um médico obstetra na viagem

Veja informações sobre gestação múltipla ou de risco no site da PASSAREDO.

TAP

Até 28 semanas: não é preciso apresentar documentação extra

Entre 28 e 36 semanas: exige atestado médico autorizando a viagem

A partir de 36 semanas: exige preenchimento e envio do MEDIF. Depois da análise do documento, a companhia informa se a passageira pode voar

Veja informações sobre gestação múltipla ou de risco no site da TAP.

PASSAGEIROS COM RESTRIÇÕES DE SAÚDE

O passageiro que tiver alguma restrição de saúde deve sempre consultar um médico antes de programar uma viagem de avião. Isso porque voar pode, por exemplo, agravar os sintomas em pessoas com deficiência cardíaca grave ou problemas respiratórios.

Durante o voo, a tripulação de cabine está preparada para o atendimento básico à vida, porém, não se trata de atendimento médico especializado. Por isso, passageiros com restrições de saúde devem comunicar a companhia de suas necessidades, a partir do preenchimento do formulário médico MEDIF. O documento deve ser emitido até 10 dias antes da viagem e enviado à empresa aérea pelo menos 72 horas antes do voo. Em todos os casos, a companhia entra em contato para autorizar ou não a viagem.

Veja os casos que exigem o envio do MEDIF do passageiro:

AVIANCA

Deficiente físico

Necessitar de dispositivos e equipamentos médicos (respiradores, cilindro de oxigênio, aparelhos cardíacos, entre outros) durante o voo

Não for autônomo e precisar de acompanhante ou médico

Tenha passado por alguma cirurgia ou intervenção médica recente

Acidentados, engessados, recém-nascidos

Tiver quadro de saúde instável, estar enfermo ou possuir alguma enfermidade que possa acarretar em piora durante a viagem ou causar efeitos aos demais passageiros e à tripulação

Acesse o MEDIF e veja outras informações no site daAVIANCA.

AZUL

Ter enfermidade ou incapacidade que cause efeitos à sua saúde e bem-estar ou aos demais passageiros e tripulação

Ter passado por uma cirurgia recentemente

Ter uma condição de saúde considerada instável

Representar um risco à segurança ou à pontualidade do voo

Precisar da atenção ou do acompanhamento médico e/ou equipamentos especiais durante o voo.

Acesse o MEDIF e veja outras informações no site da AZUL.

GOL

Ter alguma doença contagiosa

Poder desenvolver qualquer comportamento ou condição física incomum, que possa gerar efeito adverso ao bem-estar e conforto de outros passageiros ou da tripulação

Poder ser considerado um risco em potencial à segurança do voo ou à sua (exemplos: desvio de rota e pouso extra)

Precisar de atenção médica ou equipamentos especiais para manter sua saúde durante o voo (oxigênio ou maca)

Poder ter sua condição médica agravada durante ou por causa do voo

Necessitar de acompanhamento médico ou de tratamento médico a bordo

Ter deficiência auditiva ou visual — nestes casos, além do MEDIF, é necessário o envio de um exame audiométrico e laudo médico oftalmológico, respectivamente

Acesse o MEDIF e veja outras informações no site da GOL.

LATAM

Ter insuficiência renal

Ter qualquer doença contagiosa

Ter doença em estágio terminal

Estar em tratamento contra câncer

Ser dependente de insulina e precisar usar, durante o voo, dispositivos médicos perfurocortantes, como seringas, agulhas ou cartuchos de insulina

Ter passado por cirurgia há 10 dias ou menos

Viagem com origem ou destino no Peru: ter passado por cirurgia de tórax há 21 dias ou menos

Precisar viajar com um cilindro de oxigênio portátil (POC)

Precisar viajar com um aparelho portátil de hemodiálise

Ter deficiência intelectual ou psíquica de alto risco

Acesse o MEDIF e veja outras informações no site da LATAM.

MAP

Sofrer de enfermidade ou incapacidade que cause efeitos à sua saúde e bem-estar ou até mesmo aos demais passageiros e tripulação

Ter passado por uma cirurgia recentemente

Ter uma condição de saúde considerada instável

Representar um risco à segurança ou à pontualidade do voo

Precisar da atenção ou do acompanhamento médico e/ou equipamentos especiais durante o voo

Acesse o MEDIF e veja outras informações no site da MAP.

PASSAREDO

Ter passado por microcirurgias 7 dias antes da viagem

Ter passado por cirurgia 15 dias antes da viagem

Estar em tratamento de câncer

Ser dependente de insulina e precisar levar consigo seringas, agulhas ou cartuchos de insulina

Ter deficiência mental ou psicológica de alto risco

Estar em tratamento médico e precisar de atenção adicional e/ou uso de equipamentos

Estar com alguma doença contagiosa

Acesse o MEDIF e veja outras informações no site daPASSAREDO.

TAP

Ter necessidade de viajar em maca

Necessitar uso de oxigênio ou outro equipamento médico

Apresentar condições de saúde de risco para si ou para os outros passageiros

Precisar de atenção médica extraordinária durante a viagem

Tiver sofrido lesão ortopédica (ex. fratura) com necessidade de imobilização por gesso

Acesse o MEDIF e veja outras informações no site da TAP.

EXIGÊNCIA DE ACOMPANHANTE

As companhias aéreas exigem que o passageiro viaje com um acompanhante quando ele não conseguir entender as instruções de segurança dadas pela equipe, por conta de deficiências de natureza mental ou intelectual; ou se ele não tiver autonomia para atender às suas necessidades básicas e fisiológicas. Nestes casos, o acompanhante deve ser maior de 18 anos e ter condições de realizar as assistências necessárias.

As companhias aéreas devem ser comunicadas da necessidade do acompanhante na hora do envio do MEDIF, etodas oferecem ao acompanhante um desconto de 80% na tarifa cheia na compra de sua passagem.

Veja mais informações nos sites da AVIANCAAZULGOL,LATAMMAPPASSAREDO eTAP.

Com informações de abear.com.br

Denilson Alves

Editor do Portal Nosso Goiás