Mulheres dão dicas para mães de primeira viagem nos cuidados com o bebê

Se você é mãe de primeira viagem, uma boa dica é estudar e aprender alguns truques (com relação aos cuidados com o bebê) para tirar esse desafio de letra

Planejar a chegada do primeiro filho causa certa ansiedade, né? São muitas roupinhas, brinquedos, itens (banheira, berço e carrinho, por exemplo) e produtos de higiene (como fraldas, pomadas e lenços) que precisam ser organizados em pouco tempo. E, para tranquilizar as mamães de primeira viagem, nós conversamos com três mulheres superexperientes – que já tiveram dois ou mais filhos – e sabem bastante sobre o assunto. Confira essas histórias!

Joice Ramalho, de 62 anos, destaca a importância de planejar a chegada do bebê e recorrer à ajuda de um pediatra

Encarar o desafio da maternidade realmente não é fácil! A boa notícia é que com planejamento (e tranquilidade) as coisas costumam dar certo. Dona de casa e mãe de dois filhos, Joice Ramalho fala que programar a chegada do bebê em detalhes é uma das partes mais importantes.

“A primeira dica é ficar tranquila e planejar a chegada do bebê. O ideal, inclusive, é preparar sacolinhas com mudas de roupinhas para cada dia em que o recém-nascido irá ficar no hospital. Deixe a bolsa sempre organizada com pomada, sabonete, lencinho umedecido e fraldas. No meu caso, também recorri à chupeta, pois acho que ajuda a tranquilizar bastante o bebê”, conta Joice.

Também não dá para abrir mão da saúde do bebê, ok? De acordo com a Joice, um dos pontos mais importantes é fazer o devido acompanhamento médico – principalmente nos primeiros meses da criança.

“Outra dica importante é ir ao pediatra nos primeiros meses do bebê e seguir sempre suas orientações. Para a futura mamãe ter um bom desempenho, o segredo é manter sempre a calma! Para mim, ser mãe de primeira viagem foi muito tranquilo. Quando mais jovem, sempre ajudava minhas amigas a cuidar dos seus bebês e isso me ajudou a aprender certos truques. Com certeza, à medida que o tempo passa, as coisas vão se encaixando e ficando mais fáceis”, finaliza a dona de casa.

Ariadne da Silva, de 24 anos, dá ótimas dicas para montar a bolsa maternidade e fala de itens de higiene indispensáveis

O período final da gravidez é um dos mais complicados, né? A barriga já está enorme, é normal sentir contrações, dores e até ficar com os pés inchados. Aos 24 anos, a professora de Português Ariadne da Silva já tem três filhos e conta como os preparativos de chegada são importantes:

“Nesses dias que antecedem o parto, a minha dica é manter a calma e fazer coisas que dão prazer. Para montar a bolsa maternidade, recomendo aqueles saquinhos de freezer (ziplock) com um conjuntinho de roupa + uma fraldinha + uma meia + sapatinho + alguma coisa que queira que o bebê use, etiquetados com ‘dia 1’ e ‘dia 2’, por exemplo. Uma coisa que você descobre é que é uma loucura procurar roupa de bebê na maternidade!”, conta Ariadne.

“Quanto aos itens de higiene, acho que sabonetinho neutro e fralda são essenciais. Pomada eu não usei porque não achava necessário. E talco, se for usar, dê preferência ao líquido ou pastoso. Também aconselho ter um monte de fraldinha de pano para limpar a boca do neném”, complementa a professora. 

Ariadne também recomenda estudar mais sobre maternidade

Para as mães de primeira viagem, aqui vai uma dica de ouro: estudar sobre o assunto (alimentação infantil, dicas para amamentação e educação dos filhos, por exemplo) pode ser algo muito útil. De acordo com a professora Ariadne, estudar durante a gravidez é uma das principais dicas para não errar na criação dos filhos. 

“Estude muito nessa fase! Sobre detalhes do bebê, amamentação e tudo que julgar necessário sobre o assunto. Aconselho a ter um sling (carregador de bebê), pois esse item salva a mãe em diversas situações com a criança – como na hora de fazer xixi ou ter refeições. Além disso, tente estocar comida congelada, basta fazer marmitinhas e congelar. E lembre-se de descansar, ok?”, diz a professora.

“Não tenha vergonha de pedir ajuda e de botar o pai para se mexer. Eu só sobrevivo com meus três filhos por isso. Na minha primeira gravidez, acreditava que tudo seria por minha conta (afinal, fui eu quem pari). Mas isso não é verdade! Todos a nossa volta podem nos ajudar nas tarefas simples, desde ficar com o bebê por uns segundos até lavar uma louça de vez em quando”, complementa.

“E tudo passa… Pode parecer clichê, mas realmente passa! Eu achava que ia surtar nos primeiros dias, mas a gente não surta. Chega bem perto, mas não surta (risos). A casa espera, as visitas esperam, o importante é que você curta essa fase gostosa do bebê”, finaliza Ariadne.

Ana Tereza Lobo, de 56 anos, conta que os três primeiros meses do bebê são mais difíceis, mas as coisas melhoram com o tempo

Mãe de três filhos, aos 56 anos, a designer Ana Tereza Lobo conta que se preparou muito bem em todas as suas gravidezes. Montar a bolsa maternidade, por exemplo, é bem mais simples do que parece: “Lavamos todas as roupinhas com mais ou menos um mês de antecedência, montamos uns 4 kits maternidade com roupinha, cueiro, sapatinho etc. e colocamos em saquinhos transparentes. Então, na hora de montar a bolsa da maternidade ficou mais fácil, e os saquinhos entravam na bolsa na ordem de uso (o primeiro saquinho era a primeira roupa, por exemplo) para facilitar”, conta Ana Tereza.

“Eu usei muita pomada, sabonete de glicerina e fralda descartável. Não usei muito lenço umedecido em casa, pois usava mais quando saia com a criança. Em casa, era água fervida, que tinha sempre numa garrafa térmica, e algodão para limpar. Acho muito importante a vacinação! Dei todas as vacinas dos postos de saúde e sempre levei nas campanhas do Zé Gotinha, fiz também todos os exames pedidos pelas pediatras”, complementa a designer.

Quando o bebê tem cólica, alguns cuidados são necessários: os pais podem fazer massagem na barriga do neném, fazer exercícios com as perninhas e até colocar uma bolsa térmica (mas cuidado para não esquentar demais a água!) para aliviar as dores. A Ana Tereza passou por essa experiência com sua filha Alice e conta como foi importante ter paciência nessa fase.

“As cólicas são uma incógnita na vida de uma mãe. Você pode fazer tudo certinho, porém nunca sabe se realmente vai dar certo. Minha filha Alice chorava muito com cólica, era muito difícil, pois nada melhorava, ela não dormia e foi muito estressante. Mas, depois que essa fase passa (os primeiros 3 meses) é só alegria e gostosura”, finaliza Ana Tereza.

Por casapraticaqualita.com.br