Meio ambiente: Fiscalização identifica 2,3 toneladas de agrotóxicos irregulares

Foram descobertos produtos vencidos há mais de seis meses e o descarte de embalagens vazias em desacordo com a norma 

As ações encontraram irregularidades em 12 das 16 propriedades fiscalizadas

Cerca de 2,3 toneladas de agrotóxicos armazenados de maneira irregular foram identificadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em fiscalização ambiental contra o contrabando e o uso de agrotóxicos ilegais em propriedades rurais na região dos municípios de Aparecida do Rio Negro e de Pedro Afonso, no Tocantins (TO).

De 16 a 27 de novembro, as ações, denominadas Rotina Qualidade Ambiental e Operação Ceres, encontraram as irregularidades em 12 das 16 propriedades fiscalizadas. Nelas, havia produtos vencidos há mais de seis meses, o que constitui infração pelo artigo 64 do Decreto nº 6514/2008. Também foi verificado o descarte de embalagens vazias dos produtos em desacordo com a norma, incluindo a queima e o aterro de recipientes.

Ao todo, foram aplicados 17 Autos de Infração, somando o valor de R$ 426.589,00. Os produtores foram notificados a providenciar a destinação ambientalmente adequada dos produtos agrotóxicos vencidos, bem como das embalagens vazias. Tiveram participação nas ações a Agência de Defesa Agropecuária do estado do Tocantins (Adapec) e o Ministério Público estadual.

Em 2019, em ação com o mesmo objetivo, mais de 2 toneladas de agrotóxicos vencidos foram detectados em propriedades da região de Formoso do Araguaia (TO) e Lagoa da Confusão (TO). Além disso, foi constatada a aplicação aérea irregular de produto com ingrediente ativo Paraquat.

Proteção ambiental 

O descarte de embalagens e o uso de agrotóxicos de maneira irregular podem causar contaminação do solo, do ar e de recursos hídricos, além de danos à saúde pública.

Essas ações fazem parte do Plano Nacional de Proteção Ambiental (Pnapa) e do Plano Nacional de Fiscalização de Agrotóxicos do Ibama que, apesar do atual estado de emergência em saúde pública, continuam em curso.

Com informações do Ibama

Denilson Alves

Editor do Portal Nosso Goiás