Pesquisa do Procon Goiás aponta variações elevadas nos preços das tarifas bancárias

Superintendente Allen Viana disse à RBC que consumidor tem direito a pacote de serviços essenciais; planilha da pesquisa está disponível no site do órgão 

Pesquisa realizada pelo Procon Goiás revela que o valor da tarifa bancária varia até 566% em Goiânia. Os pesquisadores do órgão visitaram oito bancos da capital, entre os dias 11 e 26 deste mês. Eles verificaram os valores máximos cobrados nas tarifas de serviços da conta corrente, poupança e cartão de crédito. Conforme o levantamento, foi apurado caso de variação de até 566% em um mesmo serviço bancário.

O superintendente do órgão estadual de defesa do consumidor, Allen Viana, concedeu entrevista, na última quinta-feira, 28/1, ao programa O Mundo em sua Casa das rádios Brasil Central e RBC FM. Na oportunidade, ele comentou o resultado da pesquisa das tarifas bancárias e informou que as planilhas do levantamento estão disponíveis para consulta no site www.procon.go.gov.br.

Conforme Allen, o intuito da pesquisa e divulgação dos dados é balizar o consumidor, de modo que ele possa fazer o confronto das tarifas bancárias que paga e, ao mesmo tempo, ver a opção de fazer uma migração de conta ou negociar diretamente com o gerente do banco. Acrescentou que a possibilidade de negociação é facultada a partir de resoluções do Banco Central.

Maior variação

De acordo com a pesquisa do Procon Goiás, o serviço bancário que apresentou a maior diferença foi o saque em conta-corrente efetuado no terminal de autoatendimento do banco. A cobrança variava de R$ 1,80 a R$ 12,00, percentual considerado “impactante”. Allen disse que variações expressivas foram encontradas também em outros serviços, na pesquisa realizada pessoalmente pelos fiscais do órgão em agências de oito bancos distintos.

Ele lembrou que não existe tabelamento de tarifas bancárias por parte do Banco Central, portanto os bancos são livres para aplicar os valores. Porém, as instituições financeiras são obrigadas a oferecer um pacote de tarifas de serviços essenciais. Allen orientou o consumidor a fazer um comparativo dos preços, conversar com o gerente e optar por migrar para um pacote básico de serviços essenciais sem nenhuma tarifa; ou então verificar que tipo de serviço utiliza mais para ver se compensa ou não continuar no pacote.

ABC Digital

Denilson Alves

Editor do Portal Nosso Goiás