Sebrae e Ministério da Agricultura se unem pela recuperação do Pantanal

Após queimadas no Bioma em 2020, programa “Pró-Pantanal” visa reestabelecimento econômico de municípios e empreendedores do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul

O Sebrae e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) anunciaram na última quinta-feira (29) o Pró-Pantanal, programa de recuperação econômica do bioma pantanal por meio de ações de apoio às micro e pequenas empresas no território. A iniciativa, formatada pelo Sebrae nos estados de Mato Grosso e e Mato Grosso do Sul, foi apresentada durante reunião realizada em Brasília com a presença da diretoria do Sebrae e da ministra Tereza Cristina. A proposta visa reduzir o impacto das queimadas na economia local por meio da dinamização das atividades econômicas e do estímulo a novos negócios nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Ao lembrar dos graves episódios de incêndios no Pantanal em 2020, que chegaram a receber destaque internacional, o presidente do Sebrae, Carlos Melles, se mostrou honrado por promover este projeto em sinergia com o Mapa. “O trabalho conduzido pela ministra tem feito muito bem ao Brasil. Nosso papel é preservar o Pantanal e dar condições de sustentabilidade para esse projeto”. No total, 32 mil pequenos negócios, 20 mil propriedades rurais e 3.500 pescadores compõem a região do Pantanal dos estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

Charles Damasceno

Por sua vez, a ministra Tereza Cristina registrou a importância do projeto e os esforços do ministério para reunir investimentos para a iniciativa. “Temos que fazer o Pantanal desenvolver todo o seu potencial de biodiversidade. Estou muito preocupada com o momento da seca, está passando da hora de nos aprofundarmos no Pantanal. E nas atividades que podem ser desenvolvidas lá”, destacou a ministra. “Estamos juntos para ajudar a agropecuária brasileira e para ajudar o Brasil”, completou Tereza.

“Trabalhamos junto com os estados, que trazem as reais necessidades regionais. Estamos muito articulados e temos ferramental para fazer isso”, corroborou o diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick. “A visão empresarial que o Sebrae traz para o Bioma Pantanal é uma demonstração para o mundo de que conseguimos o equilíbrio social, econômico e ambiental”, afirmou o superintendente do Sebra em Mato Grosso, José Guilherme, ressaltando o trabalho em cooperação com as unidades estaduais do Sebrae, dos setores privado, público e não governamental.

Na sequencia, o superintendente do Sebrae em Mato Grosso do Sul, Cláudio Mendonça, destacou a importância de atuar junto às universidades, que tem papel proativo de desenvolvimento no Pantanal: “Juntos vamos criar e fomentar atividades econômicas e geração de riqueza, além de programas de garantia de renda e empreendedorismo às comunidades ribeirinhas”. Para Jaime Elias Verruck (Presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae em Mato Grosso do Sul), “esse projeto vai ajudar muito o Pantanal, mas vai ajudar sobretudo o Brasil”. Também participaram da reunião o diretor de Administração e Finanças do Sebrae, Eduardo Diogo, Marcelo Augusto Santos Turin, conselheiro Reitor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), entre outros técnicos envolvidos com o projeto.

Sobre o Projeto Bioma Pantanal
Para desenvolver o empreendedorismo do futuro do Bioma Pantanal, o programa irá identificar oportunidades inovadoras e de acesso aos mercados nacional e internacional, atuando em redes de transformação do ambiente de negócios e do território por meio da cooperação e fortalecimento da governança nas comunidades e Instituições que atuam no Bioma Pantanal. O objetivo final é elevar a competitividade e produtividade dos pequenos negócios do turismo, agronegócios e economia criativa com base na inovação e tecnologia. O também contempla o apoio à prevenção e combate a incêndios florestais, atuando em consonância aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Entre as acões práticas previstas, estão a integração de ações entre o Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, em prol da recuperação, regeneração e fortalecimento da governança do bioma Pantanal; ações integradas entre Brasil, Bolívia e Paraguai; governança local estabelecida comprometida e criação de novos núcleos de lideranças; promoção de um clima favorável para execução das atividades nos ambientes de negócios; oportunidades para o desenvolvimento dos pequenos negócios; adesão de parceiros estratégicos como prefeituras, sindicatos, associações, cooperativas, organizações do terceiro setor, ONGs, instituições de pesquisas e de ensino.

Por Agência Sebrae de Notícias

Denilson Alves

Editor do Portal Nosso Goiás