26 de maio de 2024
ArtigosEducação e pesquisaNoticia e políticaSaúde e comportamento

Saúde e comportamento: o que é uma pessoa narcisista

EXPLICANDO O QUE É NARCISISMO E NARCISISTA EM 1 MINUTO

O termo narcisista pode ser utilizado de duas formas:

  1. Na linguagem médica, para descrever um transtorno psiquiátrico conhecido como transtorno de personalidade narcisista;
  2. Na linguagem coloquial, o termo narcisista pode ser utilizado para pessoas com alguns traços do transtorno de personalidade narcisista, como egocentrismo e arrogância, mas que não apresentam necessariamente os critérios para diagnóstico da doença.

O QUE É O TRANSTORNO DE PERSONALIDADE NARCISISTA?

O transtorno de personalidade narcisista é definido pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quinta Edição (DSM-5), como um padrão predominante de grandiosidade (em fantasia ou comportamento), necessidade de admiração e falta de empatia, que começa no início da idade adulta.

As pessoas com este transtorno apresentam um senso inflado de sua própria importância e um desejo profundo por atenção e admiração excessiva. Além disso, muitas vezes carecem de empatia pelos outros e podem explorar os relacionamentos interpessoais para seu próprio benefício.

Com frequência, pessoas narcisistas superestimam suas capacidades e exageram suas conquistas, adotando habitualmente uma postura arrogante e pretensiosa. Elas podem assumir, de maneira otimista, que os outros valorizam seus esforços tanto quanto elas e se surpreendem quando não recebem os elogios que esperam e acreditam merecer. Geralmente, por trás dessas avaliações exageradas de seus próprios feitos, há uma tendência a minimizar ou desvalorizar as contribuições alheias.

Pessoas com esse transtorno frequentemente demandam uma admiração desmedida. Sua autoestima é tipicamente muito frágil. Elas costumam se preocupar bastante com seu desempenho e como são vistas pelos outros. Isso comumente se manifesta como uma necessidade contínua de atenção e elogios.

Especificamente, o DSM-5 lista os seguintes critérios para o diagnóstico do transtorno de personalidade narcisista:

  1. Grandiosidade com expectativas de ser reconhecido como superior sem realizações proporcionais.
  2. Preocupação com fantasias de sucesso ilimitado, poder, brilho, beleza ou amor ideal.
  3. Crença de ser especial e único e de que só pode ser compreendido, ou deve se associar, com outras pessoas (ou instituições) especiais ou de status elevado.
  4. Necessidade excessiva de admiração.
  5. Sentido de direito, isto é, expectativas irracionais de receber tratamento especialmente favorável ou obediência automática às suas expectativas.
  6. Exploração interpessoal, ou seja, tirar vantagem dos outros para alcançar seus próprios fins.
  7. Falta de empatia: relutância em reconhecer ou identificar-se com os sentimentos e necessidades dos outros.
  8. Inveja dos outros ou crença de que os outros são invejosos de si.
  9. Comportamentos ou atitudes arrogantes e altivos.

Para ser diagnosticado com transtorno de personalidade narcisista, um indivíduo deve atender a pelo menos cinco desses critérios. Este transtorno pode causar problemas significativos nas relações sociais e ocupacionais, e as pessoas com este transtorno frequentemente não reconhecem que seus comportamentos são problemáticos e podem ser bastante desafiadoras em tratamentos.


REFERÊNCIAS

  • Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Quinta Edição – DSM-5.

Autor(es)

Dr. Pedro Pinheiro

Dr. Pedro Pinheiro

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com títulos de especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Universidade do Porto e pelo Colégio de Especialidade de Nefrologia de Portugal.

Dra. Claudia Miliauskas

Dra. Claudia Miliauskas

Professora adjunta de Psicologia Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (FCM/UERJ). Doutorado concluído pelo Instituto de Medicina Social/UERJ, departamento de epidemiologia/saúde coletiva. Mestrado em saúde materno-infantil pela Universidade Federal Fluminense. Especialização em terapia familiar sistêmica. Residência médica em pediatria e psiquiatria.

Fonte: mdsaude.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *